Mapa do Site
Contactos
Siga-nos no Facebook Siga-nos no Twitter Canal YouTube Siga-nos no Google+

No evidence of mass segregation in massive young clusters

J. Ascenso, J. Alves, M. T. V. T. Lago

Resumo
Aims. We investigate the validity of the mass segregation indicators commonly used in analysing young stellar clusters.
Methods. We simulate observations by constructing synthetic seeing-limited images of a 1000 massive clusters (104 Msolar) with a standard IMF and a King-density distribution function.
Results. We find that commonly used indicators are highly sensitive to sample incompleteness in observational data and that radial completeness determinations do not provide satisfactory corrections, rendering the studies of radial properties highly uncertain. On the other hand, we find that, under certain conditions, the global completeness can be estimated accurately, allowing for the correction of the global luminosity and mass functions of the cluster.
Conclusions. We argue that there is currently no observational evidence of mass segregation in young compact clusters since there is no robust way to differentiate between true mass segregation and sample incompleteness effects. Caution should then be exercised when interpreting results from observations as evidence of mass segregation.

Astronomy and Astrophysics
Volume 495, Página 147
fevereiro 2009

>> PDF>> ADS>> DOI

Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço

O Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço é (IA) é uma nova, mas muito aguardada, estrutura de investigação com uma dimensão nacional. Ele concretiza uma visão ousada, mas realizável para o desenvolvimento da Astronomia, Astrofísica e Ciências Espaciais em Portugal, aproveitando ao máximo e realizando plenamente o potencial criado pela participação nacional na Agência Espacial Europeia (ESA) e no Observatório Europeu do Sul (ESO). O IA é o resultado da fusão entre as duas unidades de investigação mais proeminentes no campo em Portugal: o Centro de Astrofísica da Universidade do Porto (CAUP) e o Centro de Astronomia e Astrofísica da Universidade de Lisboa (CAAUL). Atualmente, engloba mais de dois terços de todos os investigadores ativos em Ciências Espaciais em Portugal, e é responsável por uma fração ainda maior da produtividade nacional em revistas internacionais ISI na área de Ciências Espaciais. Esta é a área científica com maior fator de impacto relativo (1,65 vezes acima da média internacional) e o campo com o maior número médio de citações por artigo para Portugal.

Continuar no sítio do CAUP|Seguir para o sítio do IA