Mapa do Site
Contactos
Siga-nos no Facebook Siga-nos no Twitter Canal YouTube Siga-nos no Google+

RW Aur A, a close binary?

G. F. Gahm, P. P. Petrov, R. Duemmler, J. F. Gameiro, M. T. V. T. Lago

Resumo
We have discovered periodic changes in velocity and equivalent width of a number of different spectral features of RW Aur A, a T Tauri star with a jet, broad emission lines and substantial excess continuous emission. In particular, the photospheric lines vary in radial velocity with an amplitude of 5.7 km s-1 over a period of 2.77 days, which appears to have been stable over at least 18 years. The present Letter focusses solely on one straightforward interpretation, namely that RW Aur A is a single-lined spectroscopic binary. However, other spectral features vary in or out of phase with the same or the double period. Interpretations, other than a binary model, should be considered but must await the more extended report on our large observational material. In the binary case, the small amplitude leads to a mass function of only 5* 10-5 Msun , by far the smallest observed for young binaries. The jet velocity and extent restrict the range of inclinations (if the orbital axis is aligned with the jet), implying a close binary with a secondary at the brown dwarf limit. Further restrictions follow if the primary rotates synchronously. Narrow emission components of HeI and HeII vary in anti-phase with the photospheric absorption lines. We show that it is unlikely that these lines reflect the motion of the secondary. Based on observations made with the Nordic Optical Telescope, operated on the island of La Palma jointly by Denmark, Finland, Iceland, Norway, and Sweden, in the Spanish Observatorio del Roque de los Muchachos of the Instituto de Astrofisica de Canarias.

Astronomy and Astrophysics
Volume 352, Página L95
dezembro 1999

>> PDF>> ADS

Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço

O Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço é (IA) é uma nova, mas muito aguardada, estrutura de investigação com uma dimensão nacional. Ele concretiza uma visão ousada, mas realizável para o desenvolvimento da Astronomia, Astrofísica e Ciências Espaciais em Portugal, aproveitando ao máximo e realizando plenamente o potencial criado pela participação nacional na Agência Espacial Europeia (ESA) e no Observatório Europeu do Sul (ESO). O IA é o resultado da fusão entre as duas unidades de investigação mais proeminentes no campo em Portugal: o Centro de Astrofísica da Universidade do Porto (CAUP) e o Centro de Astronomia e Astrofísica da Universidade de Lisboa (CAAUL). Atualmente, engloba mais de dois terços de todos os investigadores ativos em Ciências Espaciais em Portugal, e é responsável por uma fração ainda maior da produtividade nacional em revistas internacionais ISI na área de Ciências Espaciais. Esta é a área científica com maior fator de impacto relativo (1,65 vezes acima da média internacional) e o campo com o maior número médio de citações por artigo para Portugal.

Continuar no sítio do CAUP|Seguir para o sítio do IA