Mapa do Site
Contactos
Siga-nos no Facebook Siga-nos no Twitter Canal YouTube Siga-nos no Google+

T Tauri stars: The UV/X-ray connection

V.M. Costa, M. T. V. T. Lago, L. Norci, E. J. A. Meurs

Resumo
We have analysed newly calibrated IUE and ROSAT data for three T Tauri stars from different subclasses: TW Hya, V410 Tau and CS Cha, a Classical T Tauri star (CTTS), a Weak T Tauri star (WTTS) and a T Tauri star intermediate between CTTS and WTTS, respectively. In the ultraviolet the continuum seems to be well explained by the sum of the stellar black body emission plus a hydrogenic component with temperature in the range 1.4 to 5 x 104 K. TW Hya requires additionally a third component at 7900 K covering approximately 5% of the stellar surface. Using UV line fluxes, we have also analysed the energy emitted by these stars up to temperatures of 105 K. All three stars show emission strongly enhanced relatively to the Sun and peaking at temperatures characteristic of the transition region. In this respect the behaviour of the three stars seems to extend in a harmonic way from the ultraviolet into the X-ray band. The X-ray spectral analyses are consistent with emission from a two-temperature, optically thin plasma in collisional equilibrium. The lowest temperature plasma is at about 106 K while the highest reaches 107 K. We have also checked for and found no evidence for flaring activity in our sources at the time of the observations. Nevertheless, some level of variability is present for the stars in the sample. The ROSAT datasets for V410 Tau show a variation in terms of count rate on timescales of months to years.

Astronomy and Astrophysics
Volume 354, Página 621
fevereiro 2000

>> PDF>> ADS

Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço

O Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço é (IA) é uma nova, mas muito aguardada, estrutura de investigação com uma dimensão nacional. Ele concretiza uma visão ousada, mas realizável para o desenvolvimento da Astronomia, Astrofísica e Ciências Espaciais em Portugal, aproveitando ao máximo e realizando plenamente o potencial criado pela participação nacional na Agência Espacial Europeia (ESA) e no Observatório Europeu do Sul (ESO). O IA é o resultado da fusão entre as duas unidades de investigação mais proeminentes no campo em Portugal: o Centro de Astrofísica da Universidade do Porto (CAUP) e o Centro de Astronomia e Astrofísica da Universidade de Lisboa (CAAUL). Atualmente, engloba mais de dois terços de todos os investigadores ativos em Ciências Espaciais em Portugal, e é responsável por uma fração ainda maior da produtividade nacional em revistas internacionais ISI na área de Ciências Espaciais. Esta é a área científica com maior fator de impacto relativo (1,65 vezes acima da média internacional) e o campo com o maior número médio de citações por artigo para Portugal.

Continuar no sítio do CAUP|Seguir para o sítio do IA