Mapa do Site
Contactos
Siga-nos no Facebook Siga-nos no Twitter Canal YouTube Siga-nos no Google+

Real-time cosmography with redshift derivatives

C. J. A. P. Martins, M. Martinelli, , E. Calabrese, M. P. L. P. Ramos

Resumo
The drift in the redshift of objects passively following the cosmological expansion has long been recognized as a key model-independent probe of cosmology. Here, we study the cosmological relevance of measurements of time or redshift derivatives of this drift, arguing that the combination of first and second redshift derivatives is a powerful test of the ΛCDM cosmological model. In particular, the latter can be obtained numerically from a set of measurements of the drift at different redshifts. We show that, in the low-redshift limit, a measurement of the derivative of the drift can provide a constraint on the jerk parameter, which is j=1 for flat ΛCDM, while generically j≠1 for other models. We emphasize that such a measurement is well within the reach of the ELT-HIRES and SKA Phase 2 array surveys.

Physical Review D
Volume 94
agosto 2016

>> PDF>> DOI

Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço

O Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço é (IA) é uma nova, mas muito aguardada, estrutura de investigação com uma dimensão nacional. Ele concretiza uma visão ousada, mas realizável para o desenvolvimento da Astronomia, Astrofísica e Ciências Espaciais em Portugal, aproveitando ao máximo e realizando plenamente o potencial criado pela participação nacional na Agência Espacial Europeia (ESA) e no Observatório Europeu do Sul (ESO). O IA é o resultado da fusão entre as duas unidades de investigação mais proeminentes no campo em Portugal: o Centro de Astrofísica da Universidade do Porto (CAUP) e o Centro de Astronomia e Astrofísica da Universidade de Lisboa (CAAUL). Atualmente, engloba mais de dois terços de todos os investigadores ativos em Ciências Espaciais em Portugal, e é responsável por uma fração ainda maior da produtividade nacional em revistas internacionais ISI na área de Ciências Espaciais. Esta é a área científica com maior fator de impacto relativo (1,65 vezes acima da média internacional) e o campo com o maior número médio de citações por artigo para Portugal.

Continuar no sítio do CAUP|Seguir para o sítio do IA