Mapa do Site
Contactos
Siga-nos no Facebook Siga-nos no Twitter Canal YouTube Siga-nos no Google+
Centro de Astrofísica da Universidade do Porto

Red galaxies with pseudo-bulges in the SDSS: closer to disc galaxies or to classical bulges?

B. R. L. Ribeiro, C. Lobo, S. Antón, J. M. Gomes, P. Papaderos

Resumo
Pseudo-bulges are expected to markedly differ from classical quasi-monolithically forming bulges in their star formation history (SFH) and chemical abundance patterns. To test this simple expectation, we carry out a comparative structural and spectral synthesis analysis of 106 red massive galaxies issued from the Sloan Digital Sky Survey (SDSS), sub-divided into bulgeless, pseudo-bulge and classical bulge galaxies according to their photometric characteristics, and further obeying a specific selection to minimize uncertainties in the analysis and ensure an unbiased derivation and comparison of SFHs. Our 2D photometry analysis suggests that discs underlying pseudo-bulges typically have larger exponential scalelengths than bulgeless galaxies, despite similar integral disc luminosities. Spectral synthesis models of the stellar emission within the 3-arcsec SDSS fibre aperture reveal a clear segregation of bulgeless and pseudo-bulge galaxies from classical bulges on the luminosity-weighted planes of age–metallicity and mass–metallicity, though a large dispersion is observed within the two former classes. The secular growth of pseudo-bulges is also reflected upon their cumulative stellar mass as a function of time, which is shallower than that for classical bulges. Such results suggest that the centres of bulgeless and pseudo-bulge galaxies substantially differ from those of bulgy galaxies with respect to their SFH and chemical enrichment history, which likely points to different formation/assembly mechanisms.

Palavras chave
galaxies: bulges – galaxies: evolution – galaxies: general – galaxies: stellar content

Monthly Notices of the Royal Astronomical Society
Volume 456, Página 3899
março 2016

>> PDF>> ADS>> DOI

Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço

O Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço é (IA) é uma nova, mas muito aguardada, estrutura de investigação com uma dimensão nacional. Ele concretiza uma visão ousada, mas realizável para o desenvolvimento da Astronomia, Astrofísica e Ciências Espaciais em Portugal, aproveitando ao máximo e realizando plenamente o potencial criado pela participação nacional na Agência Espacial Europeia (ESA) e no Observatório Europeu do Sul (ESO). O IA é o resultado da fusão entre as duas unidades de investigação mais proeminentes no campo em Portugal: o Centro de Astrofísica da Universidade do Porto (CAUP) e o Centro de Astronomia e Astrofísica da Universidade de Lisboa (CAAUL). Atualmente, engloba mais de dois terços de todos os investigadores ativos em Ciências Espaciais em Portugal, e é responsável por uma fração ainda maior da produtividade nacional em revistas internacionais ISI na área de Ciências Espaciais. Esta é a área científica com maior fator de impacto relativo (1,65 vezes acima da média internacional) e o campo com o maior número médio de citações por artigo para Portugal.

Continuar no sítio do CAUP|Seguir para o sítio do IA