Mapa do Site
Contactos
Siga-nos no Facebook Siga-nos no Twitter Canal YouTube Siga-nos no Google+

The cosmic assembly of stellar haloes in massive Early-Type Galaxies

F. Buitrago, I. Trujillo, E. Curtis-Lake, M. Montes, A. P. Cooper, V. A. Bruce, P. Pérez-González, M. Cirasuolo

Resumo
Using the exquisite depth of the Hubble Ultra Deep Field (HUDF12 programme) dataset, we explore the ongoing assembly of the outermost regions of the most massive galaxies (M_stellar≥5× 1010 M) at z ≤ 1. The outskirts of massive objects, particularly Early-Types Galaxies (ETGs), are expected to suffer a dramatic transformation across cosmic time due to continuous accretion of small galaxies. HUDF imaging allows us to study this process at intermediate redshifts in 6 massive galaxies, exploring the individual surface brightness profiles out to ̃25 effective radii. We find that 5-20% of the total stellar mass for the galaxies in our sample is contained within 10 〈R 〈 50 kpc. These values are in close agreement with numerical simulations, and higher than those reported for local late-type galaxies (≲5%). The fraction of stellar mass stored in the outer envelopes/haloes of Massive Early-Type Galaxies increases with decreasing redshift, being 28.7% at 〈z 〉 = 0.1, 15.1% at 〈z 〉 = 0.65 and 3.5% at 〈z 〉 = 2. The fraction of mass in diffuse features linked with ongoing minor merger events is 〉 1-2%, very similar to predictions based on observed close pair counts. Therefore, the results for our small albeit meaningful sample suggest that the size and mass growth of the most massive galaxies have been solely driven by minor and major merging from z = 1 to today.

Palavras chave
galaxies: evolution, galaxies: high-redshift, galaxies: morphology, galaxies: elliptical and lenticular, cD, galaxies: haloes, galaxies: structure

Monthly Notices of the Royal Astronomical Society
janeiro 2017

>> PDF>> ADS>> DOI

Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço

O Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço é (IA) é uma nova, mas muito aguardada, estrutura de investigação com uma dimensão nacional. Ele concretiza uma visão ousada, mas realizável para o desenvolvimento da Astronomia, Astrofísica e Ciências Espaciais em Portugal, aproveitando ao máximo e realizando plenamente o potencial criado pela participação nacional na Agência Espacial Europeia (ESA) e no Observatório Europeu do Sul (ESO). O IA é o resultado da fusão entre as duas unidades de investigação mais proeminentes no campo em Portugal: o Centro de Astrofísica da Universidade do Porto (CAUP) e o Centro de Astronomia e Astrofísica da Universidade de Lisboa (CAAUL). Atualmente, engloba mais de dois terços de todos os investigadores ativos em Ciências Espaciais em Portugal, e é responsável por uma fração ainda maior da produtividade nacional em revistas internacionais ISI na área de Ciências Espaciais. Esta é a área científica com maior fator de impacto relativo (1,65 vezes acima da média internacional) e o campo com o maior número médio de citações por artigo para Portugal.

Continuar no sítio do CAUP|Seguir para o sítio do IA