Mapa do Site
Contactos
Siga-nos no Facebook Siga-nos no Twitter Canal YouTube Siga-nos no Google+
26 julho 2011

O observatório espacial Herschel (ESA) observou água a ser expelida da lua Encélado e a formar um gigante toro de vapor de água em torno de Saturno. Esta descoberta resolve um mistério com 14 anos, pois agora sabemos qual a origem da água existente na camada superior de atmosfera de Saturno.

Os resultados do Herschel significam que Encélado é a única lua do sistema solar - que conhecemos até ao momento - que influencia a composição química do seu planeta. A lua Encélado expele cerca de 250 quilos de vapor de água por segundo, através de jatos emitidos desde as regiões polares a sul conhecidas por Listas de Tigre por causa do seu distinto padrão na superfície gelada da lua.

Estas recentes observações revelaram que o vapor de água forma um toro com forma de "donut" em volta do planeta dos anéis. A largura total do toro é 10 vezes maior do que o raio de Saturno; no entanto, a espessura equivale a apenas um raio de Saturno. Encélado encontra-se a uma distância de Saturno que ronda os 232 000 quilómetros (cerca de quatro raios de Saturno), e constantemente abastece o toro com jatos de água.

Apesar da sua imensa dimensão, só agora se conseguiu detetar este toro porque o vapor de água é transparente à luz visível, mas não é transparente à radiação infravermelha, que é a radiação que o Herschel é capaz de detetar.

Sabia-se que as camadas interiores da atmosfera de Saturno continham vapor de água, mas a existência de água na camadas superiores era um enigma para os cientistas. A sua existência foi detetada, pela primeira vez em 1997, pelo ISO - Observatório Espacial de Infravermelhos, da ESA. No entanto, a origem desta água era completamente desconhecida até agora. Modelos computacionais, destas observações efetuadas pelo Herschel mostram que 3 a 5% da água expelida por Encélado acaba por cair em Saturno.

"Não existe nenhuma analogia terrestre para este comportamento", afirma Paul Hartogh do instituto Max-Planck para a Investigação do Sistema Solar (Katlenburg-Lindau, Alemanha), que liderou a equipa que colaborou na análise destes resultados. “Não entram na nossa atmosfera quantidades significativas de vapor de água. Isto é único de Saturno”.

Embora a maior parte da água de Encélado se perda para o espaço, congele nos anéis ou caia noutras luas de Saturno, a pequena fração que realmente cai no planeta é suficiente para explicar a quantidade de água que é detetada na sua atmosfera superior. Esta água é também responsável pela produção de outros elementos que são compostos por oxigénio, como o dióxido de carbono.

Esta água que chega às regiões superiores da atmosfera de Saturno é depois transportada para níveis mais interiores. onde condensa, mas a quantidade é tão pequena, que as nuvens que resultam deste processo não são observáveis.

Para mais informações
ESA
Artigo Científico

Notícias relacionadas
AstroNotícia - Ter ou não ter ... um oceano salgado

1. Nesta imagem obtida pela sonda espacial Cassini (NASA) são visíveis quatro plumas de água gelada a sair da região polar sul da lua Encélado (NASA / JPL / Space Science Institute) 2. O Observatório Espacial Herschel. (ESA - D. Ducros, 2009)